Minimizar a compactação, é possível!

O pneu está em contato direto com o solo, seu impacto é, portanto, fundamental nos fenômenos de prensagem e de formação de rodeiras.

O que é a compactação dos solos?

A compactação dos solos, um dos principais processos de degradação da terra, é devida à passagem de máquinas agrícolas cada vez mais pesadas, em condições climáticas por vezes difíceis.

A compactação depende da natureza do solo, seu teor em água, a tipologia das culturas e a carga aplicada na superfície. A passagem sucessiva de máquinas gera processos de compressão e de arrancamentos reduzindo assim a capacidade da circulação do ar, de infiltração e de enraizamento das culturas.

O impacto econômico da compactação do solo é importante: baixa dos rendimentos agronômicos, risco de desenvolvimento de fungos/pragas e necessidade de recorrer a trabalhos de regeneração como a lavoura ou/e a descompactação, os quais consomem muito combustível e tempo.

O que é formação rodeiras?

A formação de rodeiras ou sulcos é uma deformação longitudinal significativa do terreno caracterizada por um afundamento causado pela passagem de uma máquina. A formação de sulcos é muito importante em terrenos enlameados.

As consequências são catastróficas para o desenvolvimento agronômico: nada cresce em um sulco que representa, portanto, uma perda nítida de rendimento.

O sulco favorece a estagnação da água que pode asfixiar as plantas e favorecer o desenvolvimento de doenças. Consome também a energia das máquinas agrícolas.

O sulco se parece com um "degrau" que o pneu agrícola deve atravessar em permanência.

Resultado: a máquina consome mais.

Um terreno que compreende muitos sulcos deve ser nivelado.

Por isso, é necessário realizar trabalhos de regeneração do solo implicando tempo e combustível.

O pneu, em contato com o solo, constitui uma solução permitindo limitar a prensagem e a formação de sulcos.

Neste domínio, a qualidade de um pneu agrícola reside em sua capacidade de suportar cargas pesadíssimas com pressão muito baixa. Com efeito, a pressão de um pneu é quase idêntica à pressão média exercida sobre o solo.  (Ex.: A pressão no pneu é de 15 PSI. A pressão exercida sobre o solo pelo pneu será aproximativamente de 1 kg/cm2).

Assim, quanto maior for a pressão do pneu, maior será a pressão sobre o solo e mais elevado o nível de compactação e de formação de sulcos.

A prensagem dos solos é ampliada pela patinagem do pneu agrícola, sua capacidade de tração é, portanto, fundamental para limitar esse fenômeno.

Os conselhos da Michelin

A Michelin desenvolve pneus agrícolas que permitem reduzir visivelmente a compactação dos solos e melhorar a capacidade de tração de todas as máquinas.

Conselho N°1: Escolha a tecnologia Radial em lugar da diagonal

Muito difundida no âmbito de carros de passeio e caminhonetes, e também nos transportes de carga e passageiros, a tecnologia do  pneu radial  demonstrou suas vantagens no mundo agrícola. Comparativamente à tecnologia diagonal, a tecnologia radial permite reduzir a compactação do solo e aumenta a capacidade de tração das máquinas agrícolas graças à: 

  • Capacidade de suportar cargas pesadas a pressões muito baixas.
  • Sua maior área de contato da banda de rodagem que permite repartir melhor a carga no solo, e maior número de barras/tacos em contato com o solo proporcionando mais aderência e uma tração mais eficaz.
Conselho N°2: Prefira as séries largas e "grandes volumes"

O objetivo das séries ditas largas e de grandes volumes é de reduzir a pressão, para a mesma carga, e garantir um nível de tração maior, conservando o mesmo diâmetro exterior e a mesma circunferência de rodagem que um pneu dito standard.

O mesmo trator, equipado com pneus standards, pode ser equipado com pneus largos ou de grande volume. A Michelin desenvolveu, para esse efeito, as gamas de séries largas e de grandes volumes.

Exemplo: Para um trator de 200 cavalos, com uma carga de 1 800 Kg por pneu dianteiro e de 4 000 kg por pneu traseiro, e uma velocidade máxima de 40 Km/h na estrada.  Equipamento de origem: 
Michelin Agribib (standard) 520/85R42 157 A8 /157B TL e Michelin Agribib 16.9R30 137 A8/134B TL

PRESSÕES

Michelin AGRIBIB

Michelin OMNIBIB

Michelin MULTIBIB

Michelin MACHXBIB

Pressão à frente

15 PSI

12 PSI

10 PSI

9 PSI

Pressão atrás

23 PSI

17 PSI

17 PSI

15 PSI

Em média, relativamente ao Michelin AGRIBIB a pressão nos Michelin OMNIBIB e nos Michelin MULTIBIB é pelo menos 20% mais baixa e a pressão no Michelin MACHXBIB é, em média, 38% mais baixa.

Conselho N° 3: Opte pela Tecnologia Michelin Ultraflex

Graças à  tecnologia MICHELIN Ultraflex , a otimização do rendimento agronômico começa pelo pneu. O segredo? Uma carcaça inovadora, particularmente resistente, autorizando flexões maiores.

Resultado: os pneus MICHELIN Ultraflex podem suportar cargas extremamente pesadas, mesmo com pressão mínima (1), e a qualquer velocidade de trabalho (2).

Além disso, a estrutura flexível desta carcaça permite aumentar a superfície de contato, que por sua vez, aumenta a capacidade de tração dos pneus:

  • Você poupa tempo e combustível;
  • Você protege seu solo;
  • Você aumenta seus rendimentos agronômicos.